CONFIANÇA...CREDIBILIDADE...DEDICAÇÃO...RESPONSABILIDADE e ÉTICA, ACIMA DE TUDO !
"O ADVOGADO É INDISPENSÁVEL À ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA" (Art. 133 da Constituição Federal de 1988)
"SE AGES CONTRA A JUSTIÇA E EU TE DEIXO AGIR, ENTÃO A INJUSTIÇA É MINHA" (Gandhi)
"O TRABALHO NÃO PODE SER UMA LEI SEM SER UM DIREITO" (V. Hugo)
"A FORÇA DO DIREITO DEVE SUPERAR O DIREITO DA FORÇA " (Rui Barbosa)

Notícias

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Teresina, PI

Máx
32ºC
Min
23ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Teresina, PI

Máx
31ºC
Min
24ºC

Comissão de Seguridade rejeita criminalização de desvio de finalidade da pensão alimentícia

Proposta prevê reclusão de um a quatro anos para o responsável que usar recursos da criança ou adolescente para outros fins.   A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados rejeitou, nesta terça-feira (20), projeto de lei (PL 8071/17) que criminaliza o desvio de finalidade da pensão alimentícia recebida em benefício de criança ou adolescente. O texto altera o Estatuto da Criança e do Adolescente e prevê reclusão de um a quatro anos para o responsável que desviar os recursos.   A proposta, do deputado Lincoln Portela (PL-MG), foi rejeitada por sugestão do relator no colegiado, deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG). Gustavo Sales/Câmara dos Deputados O relator, deputado Eduardo Barbosa   Mesmo reconhecendo que a pensão paga em caso de pórcio deve cobre despesas como saúde e educação dos filhos, o relator ponderou que não há como distinguir os habitantes de um mesmo lar. “A solidariedade doméstica implica em dizer que o conforto, bem como a alimentação de um membro da família implicará no conforto e alimentação de todos os demais membros. Questiona-se, pois, os efeitos práticos e sociais que a proposta geraria caso venha a ser convertida em lei”, observou Eduardo Barbosa.   Ele acrescentou que o ordenamento jurídico já disponibiliza os meios de revisão de valores pagos a título de pensão e a possibilidade de exigir, ainda que judicialmente, prestação de contas. “O direito penal, por outro lado, já criminaliza a apropriação indébita, que pode alcançar o uso indevido de pensão alimentícia.”   Barbosa disse ainda que os efeitos negativos de uma condenação criminal do administrador de pensões podem ser superiores a quaisquer benefícios que possam trazer. “Ações criminais similares certamente serão utilizadas como armas para desacreditar os que detêm a guarda dos infantes”, declarou.   Mesmo tendo sido rejeitado pela Comissão de Seguridade Social e Família, o projeto ainda deve ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania; e pelo Plenário. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei Fonte: Agência Câmara de Notícias
Visitas no site:  510356
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.